Bem-vindo, Visitante. Por favor faça o Login ou Registe-se.
Abril 24, 2014, 01:58:27
Home Ajuda Pesquisa Login Registe-se
Notícias: Ver as 10 mensagens mais recentes do Fórum.

100% Natural  |  Nutrição  |  Pesquisas  |  Tópico: Boas notícias para os amantes do chocolate! 0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico. « tópico anterior tópico seguinte »
Páginas: [1] Ir para o Fundo Imprimir
Autor Tópico: Boas notícias para os amantes do chocolate!  (Lida 3495 vezes)
Liliana
Visitante


Email
Boas notícias para os amantes do chocolate!
« : Agosto 26, 2006, 04:37:59 »

Afinal parece não ser um pecado tão grave para a nossa silhueta comer chocolates. Pelo contrário, além de fazer as delícias ao paladar, faz bem à saúde.
Quem não conhece a deliciosa sensação de prazer e bem-estar que um pedaço de chocolate produz? Mas o que é o chocolate? Será que faz tão mal à saúde e à nossa figura como reza a sua fama, que faz sentir pecadores os mais gulosos que não conseguem passar muito tempo sem se deliciar com o seu sabor?

O chocolate é feito de semente de cacau e tem a sua origem na civilização Olmeca, por volta de 1500 a.C. Conhecido também pelos Maias e Aztecas, consideravam-na uma bebida sagrada utilizada em rituais.
Misturavam as sementes de cacau torradas e moídas com pimenta, chilli, baunilha, milho ou mel e flores secas, adicionando água quente ou fria. Chegou a ser tão valorizado, que as sementes do cacau foram utilizadas como meio de troca e moeda corrente.

Vindo para a Europa na época das descobertas do Novo Mundo, foi através de Espanha que esta bebida se foi tornando conhecida. Começaram então a acrescentar-lhe açúcar, leite, vinho e outros ingredientes. Mas apenas em 1825, com a técnica holandesa da prensa hidráulica, se deu início à fabricação de chocolate em pó e tabletes de chocolates.

Para a felicidade dos apreciadores, existem estudos científicos que provam que o chocolate faz bem à saúde! Reduz o colesterol, é preventivo do cancro, faz bem ao coração, regula a tensão arterial, combate a cárie dentária, estimula o raciocínio e é antidepressivo, pois provoca uma sensação de prazer e bem-estar.

Bom, o problema está nos produtos adicionados ao chocolate, como o açúcar, recheios gordurosos e sementes, por isso, é recomendável optar pelos chocolates escuros, amargos, puros e sem açúcar. Comer chocolates, sim, mas com moderação, saiba porque:

Uma equipa da UCSF School of Nursing afirma que pequenas doses de chocolate negro, rico em flavonóides, consumido por um período de 2 semanas, melhora a circulação sanguínea e é vaso dilatador: Num estudo realizado pela professora Mary Engler, com voluntários que consumiam diariamente, 46 gramas de chocolate negro, rico em flavonóides, por um período de duas semanas, com a finalidade de testar se haveria aumento na dilatação das artérias, descobriu-se um aumento de 10,2% no início do estudo e 11,5% no final das duas semanas.

Estudos clínicos anteriores mostraram os efeitos benéficos do chocolate na acção do endotélio (camada interna dos vasos sanguíneos), depois de uma simples dose ou várias doses de chocolate, após alguns dias. “Melhorias na função endotelial (capacidade da artéria se dilatar) é um indicativo de melhor saúde vascular e menor risco de se ter problemas no coração, “ diz Engler. “As artérias com capacidade de se dilatarem mais, aumentam o fluxo da circulação sanguínea, o que é especialmente importante para o coração”.

A Professora Engler e a sua equipa também encontraram uma elevada subida da concentração do flavonóide do cacau, a epicatequina (que apresenta significativa actividade antioxidante), nas amostras de sangue retiradas dos voluntários, de 25,6 nmol/L para 204,4 nmol/L.

Foi também verificado que os participantes do estudo não tiveram aumento dos níveis de colesterol. O tipo de gordura existente no chocolate, ácido esteárico e ac. Linóico, tem um efeito neutro no colesterol LDL mas aumenta o HDL ou bom colesterol, segundo o Dr. Carl L. Keen. O ácido gordo esteárico, apesar de saturado, não aumenta o colesterol, como as margarinas normais, pois o ácido esteárico rapidamente se transforma em ácido oléico (presente no azeite).

E o que são os flavonóides? São um grupo de compostos químicos derivados de uma variedade de plantas que inibem o crescimento de bactérias. Nos seres humanos os flavonóides têm diversos efeitos. O chocolate é feito de sementes de cacau, que é tecnicamente a fruta da árvore do cacau. Muitos produtos feitos de frutas e plantas contém flavonóides. Estes são encontrados nos morangos, amoras, chá verde, vinho tinto, amendoim, maçã, cebola, nozes, pimentão vermelho, aipo, tomates e frutas cítricas em diferentes quantidades.

Sabemos que as aspirinas são recomendadas para pessoas susceptíveis de terem problemas do coração, porque evitam que as plaquetas de sangue coagulem em alguma artéria. Os flavonóides do chocolate fazem o mesmo. São também vasodilatadores, reduzindo assim a pressão sanguínea e estabilizando a tensão arterial. 100 g. de chocolate negro consumido diariamente, reduz a tensão arterial sistólica em 5.1 mm Hg e a diastólica em 1.9 mm Hg. Um total de 400 g de frutas e vegetais consumidos diariamente, produz uma redução da tensão arterial em 4.0 mm Hg da sistólica e 1.5 mm Hg da diastólica.

O Dr. Norman K. Hollenberg, professor de medicina no hospital para Mulheres em Brigham e da Escola Médica de Harvard, investigou os índios Kuna das ilhas de San Blas, no Panamá para examinar a conexão entre o consumo do cacau e a tensão arterial. Os índios têm uma dieta de elevado teor de sal, mas a tensão arterial é normal - disse ele - e consomem o cacau produzido localmente em cada refeição. O seu estudo acompanhou alguns índios Kuna na cidade, onde começaram a beber o cacau produzido comercialmente. Então, disse ele, os seus valoresa de tensão arterial tenderam a aumentar.

A pesquisa do Dr. Hollenberg indica, preliminarmente, que o consumo do cacau com elevado teor de flavonóides regula a síntese do óxido nítrico, um composto no corpo que ajuda a manter a pressão do sangue e o fluxo do sangue nas células endoteliais. Os flavonóides podem também ajudar os vasos a dilatarem e evitar assim que as plaquetas se agreguem às paredes destes.

Foi comprovado então que estes flavonóides promovem vários efeitos benéficos para o sistema cardiovascular, incluindo a diminuição da oxidação do colesterol LDL (um processo danoso que permite que o colesterol se acumule nos vasos sanguíneos), inibindo a agregação das plaquetas sanguíneas (que contribui para o risco de formação de coágulos que causam o ataque do coração).

Numa análise realizada pela Professora Engler feita em alguns alimentos, os índices de flavonóides encontrados no chocolate negro (com 70% ou mais de cacau) tinham por volta de cinco vezes mais do que as maçãs e cerejas (por 100 gramas) e oito vezes mais que o vinho tinto ou o chá preto.

Como já vimos, alguns destes flavonóides também são antioxidantes. Um antioxidante é uma substância que inibe a oxidação ou reacções promovidas pelos óxidos e peróxidos, e protege o organismo de efeitos deletéricos dos radicais livres produzidos por processos do organismo, que podem contribuir para causar problemas no coração, cancro, e aceleração do processo de envelhecimento. Como exemplos de antioxidantes temos o beta-caroteno e a vitamina C.

O cardiologista Dr Tissa Kappagoda, da Universidade da Califórnia, em Davis, afirma que o chocolate hoje comercializado, é carregado de gordura e açúcar e os antioxidantes benéficos perdem-se no processamento do cacau nas fábricas.

De acordo com a Nutricionista Roberta Stella, formada pela Universidade de São Paulo (USP), os flavonóides existentes no cacau, são encontrados em maior quantidade nos chocolates amargos. Quanto mais escuro e amargo for o chocolate, maior a concentração destas substâncias.

Para além dos flavonóides, o cacau e seus derivados são ricos em outros polifenóis, como os taninos. Estudos revelam que estes antioxidantes ajudam a combater as cáries, provavelmente evitando a formação da placa dentária. Todos os alimentos que contêm hidratos de carbono fermentáveis, podem contribuir para formação de cáries, mas pesquisas na Escola de Odontologia da Universidade da Pensilvânia, mostraram que o chocolate é capaz de anular o potencial acidificante do seu açúcar.

Ainda reduz a desmineralização, que contribui para a formação de cáries. O chocolate é rico em proteínas, cálcio, fosfatos e outros minerais, todos eles protectores do esmalte dentário. Mesmo assim, os amantes do chocolate, não podem esquecer que uma boa higiene bucal é fundamental para a prevenção das cáries.

O chocolate não é só benéfico para os dentes e para o coração. O seu consumo provoca a libertação cerebral de endorfinas (opiáceos naturais que produzem um estado de prazer) e feniletilamina (PEA), substância que provoca uma sensação de felicidade. Segundo alguns psiquiatras, o chocolate, quando consumido, aumenta a quantidade de triptofano (aminoácido) no organismo que vai elevar os níveis de serotonina. O aumento deste neurotransmissor está directamente ligado à produção de uma sensação de bem-estar e prazer. Este saboroso alimento contém ainda substâncias estimulantes como a cafeína, a teobromina e a tiramina que estimulam o raciocínio.

Para alguns especialistas, o chocolate tem grande valor nutricional, considerando-o portanto um alimento importante para a nossa dieta. O chocolate é considerado alimento, uma vez que contém 1/3 de leite, 1/3 de cacau, o que equivale a proteína, energia e gordura, além de incluir substâncias tónicas que estimulam as pessoas com fadigas físicas e mentais. Uma tablete de 100 gramas de chocolate contém, em média, 540 calorias (1/4 da necessidade diária de um homem adulto).

De acordo com a Nutricionista Roberta Stella, o chocolate deve ser consumido com moderação por pessoas que têm tendência para sofrer de azia, por causa da teobromina. Recomenda-se que o consumo de chocolate seja de 30 g a 50 g por dia. Ao exceder essa quantia, o que antes dava prazer, pode-se transformar num grande vilão, principalmente para as mulheres: o excesso de peso.

O chocolate dietético pode ser uma armadilha para as pessoas que não saibam consumi-lo de maneira adequada. Pois para manter a consistência sem a adição de açúcar, a quantidade de gordura é elevada, diferente do chocolate normal, portanto é mais calórico.

 Tanto o chocolate dietético como o normal, são bastante calóricos. No caso do chocolate dietético, que não há adição de açúcar, mas possui mais calorias, deve ser consumido por quem não possa ingerir açúcar, mas não por quem queira emagrecer. Leite e sementes oleaginosas como amêndoas, avelãs, nozes e castanhas em geral, podem ser uma combinação saborosa, mas é propensa a causar acnes, mau hálito e alergias, bem como os recheios cremosos. Estas gorduras aumentam o colesterol do sangue.

Fonte: Revista Super Interessante, nº 51 – Portugal, www.angelfire.com/al3/chocolatra, www.ucdavis.edu, bmj.bmjjournals.com, pub.ucsf.edu, hms.harvard.edu, www1.uol.com.br
« Última modificação: Agosto 27, 2006, 01:56:39 por Liliana Moreira » Registado
Páginas: [1] Ir para o Topo Imprimir 
100% Natural  |  Nutrição  |  Pesquisas  |  Tópico: Boas notícias para os amantes do chocolate! « tópico anterior tópico seguinte »
Ir para:  


Login com Nome de Utilizador, Password e Duração da Sessão

Powered by MySQL Powered by PHP 100% Natural | Powered by SMF 1.0.7.
© 2001-2004, Lewis Media. Todos os Direitos Reservados.
XHTML 1.0 Válido! CSS Válido!